terça-feira, 20 de novembro de 2012

Os Vampiros no Século XXI


Se você esta atrás de Vampiros, e procura por pessoas que não possui reflexo no espelho, que usam capas a todo tempo, que só se vestem de negro, que só saem durante a noite e ainda estejam babando uma gota do sangue de alguma virgem que acabaram de atacar. Bem, sinto em lhes informar mais aqui não encontraram nada assim.

Após muitas dezenas de anos na pesquisa e convívio com um Vampiro, e é muito difícil se encontrar um neste mundo de hoje, isso já foi muito mais fácil. Quero lhes apresentar como deve ser um Vampiro hoje:

Sua aparência sempre parece juvenil. Sua pele não necessariamente é branca como a neve, como se diz por ai, embora se assim forem sua veracidade com relação a sua identidade fica mais explícita. O mesmo se diz a respeito dos olhos, e neste caso se nota a maior diferença, o Vampiro olha bem no fundo de sua alma e busca o mai secreto dos pecados e os trás a tona, só num olhar, este olhar atrai a todos e quem fica vitimada a eles nunca o vão esquecer, ele lhes aparece em sonhos, lhe aparecem em uma piscada que se de durante um ato pecaminoso. Pode-se sentir esse olhar penetrante na alma e diferenciá-lo mesmo estando em meio a uma multidão de pessoas. Só de lembrar-se desses olhares, que já fui vitimado a milhares de vezes nesta vida me arrepia a espinha e tremo por inteiro, e o corpo ainda gela.
Quem ao menos uma vez, não conversou com um estranho e esta conversa nunca lhe saiu da cabeça. E você mesmo depois de muito tempo ainda procura aquele rosto em meios as multidões e diz a si mesmo que nunca irá velo de novo, mas mesmo assim olha a sua volta a procura do tal rosto inesquecível. Ai você se engana em pensar que isto se decorre por mérito da sua beleza. A beleza do Vampiro esta no jeito único de olhar, no seu papo surpreendente que dependendo, pode ser um papo intelectual ou uma futilidade sem limites, esta é a mais bela capacidade de um vampiro, a de vidrar seu interlocutor a ele sendo o assunto que for e a hora que for. Quem começa uma conversa com um Vampiro não quer mais que isso termine.

O Vampiro adentra nossa alma sem pedir licença. E a Escraviza. Usando de seu olhar, de seu papo, abre-se um parênteses aqui, diga-se de passagem que a voz de um Vampiro como ele num todo é única, no meio de conversa é capaz de se sentir as veias resfriar ao soar da voz de um Vampiro, isto é ele próprio penetrando no seu coração. Voltando ao Assunto deste parágrafo, o toque de um Vampiro. Este é o ultimo recurso que eles usam com uma pessoa quanto já estão totalmente entregues em suas mãos como um boneco.

Imagine a situação, Seus olhos não querem perder os olhos dele, assim você os fica procurando e sentido aquele olhar que vasculha sua mente, sendo assim cada palavra que sai de sua boca ele já havia tomado conhecimento e de certa forma você sabe disso, cada assunto abordado lhe surpreende e lhe causa certa alegria por falar deles, são coisas que ficam guardadas em nossos corações que só um Vampiro pode tirá-las dela, ai já é tarde, você o tem como um amigo que conheceu a menos de trinta minutos, e ele já possui os teus maiores segredos. Então neste ponto ele lhe toca, parece uma bobeira, mas não é o toque de um Vampiro chega a causar medo e até certo repudio, mas como tudo em se trata de Vampiro, você se torna escravo dele. Bem... Para melhor expressar o que ocorre irei expor aqui um acontecimento.

Certa noite quando acabara de conhecer o Conde Lucian, Vampiro de minha cidade natal, estávamos sentados em uma das beiras do Parque Municipal e a conversa tinha chegado num daqueles pontos em que o silencio predomina, estamos assimilando todas as informações adquiridas naquela noite, e ainda lembrando como o Parque era na época em que ainda se chamava “Municipal” – época de ouro do café no Brasil – Foi ai então que ele sentado ao meu lado e ambos olhando a rua, ele se virou para mim, eu o senti vascular minha mente e em poucos segundos ele aperta meu braço esquerdo na altura do bicípites de forma carinhosa e ao mesmo tempo firme, e me diz ao ouvido num tom de sussurro como se fosse um segredo, numa voz meio rouca e como sempre muito profunda “Yor perfect face is going to Hell”, ou algo assim, devo conversar que não sou um amante das línguas inglesas. A questão é que tal ação me deixou sem respiração, se não estivesse sentado talvez tivesse até caído, minhas pernas tremeram, e fiquei sem respiração. Minha sorte é estar bem acostumado com surpresas e não demonstro o que realmente se passa comigo, acredito até hoje que ele não tenha percebido o tamanho do estrago que ele provocara em meu ser. E logo acrescentou o que eu já esperava, tendo alguma experiência com eles, “É uma linda essa musica. (...) E eu ainda escutarei isso de alguém!”. Nesse momento a vontade que dá é de puxá-lo para si o beijar e lhe dizer, olho a olho: “Seu lindo rosto me leva ao inferno!” Essa é a sensação e os desejos que um verdadeiro vampiro ira lhe causar, seja você quer for, homem ou mulher, e sua experiência no assunto só ajudara na contenção da vontade, mas a vontade vai existir.

Vampiros são eternos, mas na memória de suas vitimas. Infelizmente ou felizmente eles morrem, mas muitos perduram durante gerações inteiras com a mesma aparência juvenil de sempre.

Discrição é a palavra certa desses seres. Andam pelas ruas se misturando as sombras, é pouco as pessoas que os vêem perambular na madrugada. E quando o vê se trata de alguma garota aparentando ser uma vitima fácil para um bom termino da noite.

Eles refletem no espelho, porém não gostam de se ver refletido, pelo menos quando se esta na presença de humanos. O reflexo lhe trás de volta o que realmente é, uma pessoa que tenta ser boa, mas quando se percebe já esta consumando os pecados que seus parceiros ainda nem sonharam em realizar, e esse é o pior dos pecados. Encantar, seduzir, cativar, fazer apaixonar-se por ele, fazer-te rastejar para os seus pés lhe pedindo perdão de um erro não cometido, de coisas que não foram faladas e se humilhando para um ser desconhecido e após todo esse espetáculo de amor, ele simplesmente some, e virá somente uma lembrança, as vezes pesada, às vezes feliz, mas uma lembrança sempre próxima, que nunca sai de sua mente. Parece que o cheiro de um Vampiro nunca sai da pela humana, e sua voz fica pela eternidade ecoando no celebro como se depois que ele apareceu em sua vida, ali se transformasse em apenas num universo de vazio e incertezas.

Digo com extrema segurança e certeza, que nossos pecados são pagos, e a maioria ainda em vida terrena. E este é o preço de seus pecados, não conseguir se olhar num espelho por ser tamanha o peso e a dor que isto lhe causa na consciência. Mas essa arte de atrair, usufruir e descartar é uma necessidade para o Vampiro, mas as conseqüências deste pecados são pesadas demais pra um humano, por isso nenhum humano faz idéia de como seria a dor de se olhar num espelho e ver seu próprio rosto, que todos julgam ser perfeito, se transformando no horror e na dor e do desespero que ele durante os séculos se dedicou tanto a fazer com suas vitimas. E tudo isso por dura diversão.

O que existem hoje são muitos charlatões tentando imitar esses seres, que embora não o pareça, são belos e delicados, e quando se aprende a conviver com eles, se tornem a melhor das melhores companhias nas noites de conversas. Os Vampiros do século XXI são raros, eu mesmo só conheço dois, O Conde de Lucian, que citei anteriormente, e seu tutor e mestre Vossa Alteza Noturna, o Príncipe de Marchezan. Cujos nomes atuais legais permanecerão como uma incógnita, pelo menos enquanto isso depender dos Lordes das Noites brasileiras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário